É comum que os dentistas, principalmente em início de carreira, tenham dúvidas sobre os preços praticados no consultório. Bom, não há uma fórmula pronta que possa ser usada para calcular o valor de tratamento dentário, mas há algumas questões que devem ser analisadas.

O cálculo errado pode trazer prejuízos a seu negócio, pois se for muito baixo o consultório não consegue pagar nem mesmo as próprias contas — que dirá ter lucro. E, caso os valores sejam mais altos do que os praticados no mercado, você ainda corre o risco de não conseguir atrair pacientes. E, sem eles, não há negócio.

Então, se você tem dúvidas sobre como definir os valores praticados no consultório, continue a leitura que daremos dicas para te ajudar nesta difícil tarefa. Confira!

1. Analise a concorrência

Conforme mencionamos, se você pratica valores muito acima do mercado corre o risco de ficar sem pacientes. Afinal de contas, a concorrência é acirrada e na hora de escolher um bom dentista o paciente também avalia o preço cobrado pelos procedimentos.

Mas, se você pratica valores muito abaixo de seus concorrentes, pode ser visto com desconfiança pelo seu público-alvo — é como diz aquele bom e velho ditado: “quando a esmola é demais, o santo desconfia.”

O ideal é que você analise sua concorrência para saber qual o valor mínimo e o máximo cobrado para, enfim, chegar a um valor final. Contudo, não pense em olhar somente os valores praticados pela concorrência e pronto. Você precisa conhecê-la de perto.

Isso significa que você deve se informar sobre os procedimentos praticados por aqueles profissionais que considera seus concorrentes, bem como a estrutura dos consultórios e qualidade de atendimento de cada um.

Talvez aquele profissional que você considera concorrência não tenha as mesmas qualificações que você, não ofereça tratamentos com a mesma qualidade e nem possua um espaço tão bem equipado quanto o seu e vice-versa.

Analisar todas estas questões ajuda você a ter uma ideia mais clara sobre a precificação dos seus serviços, além de garantir o melhor atendimento possível a seus pacientes.

2. Avalie os custos da clínica

Todo negócio tem suas despesas e para calcular o valor exato de sua hora de trabalho você deve fazer um controle de todos os gastos fixos e variáveis necessários para manter seu consultório ou clínica funcionando.

Coloque na ponta do lápis todas as despesas fixas, como contas de água, luz, internet, materiais de limpeza, anuidade do CRO, pagamento de funcionários (salário, férias, 13º, FGTS, transporte e outros benefícios) e aluguel do estabelecimento, e gastos variáveis, como compra de materiais e equipamentos etc.

Além disso, você também deve se lembrar que equipamentos se deterioram com o tempo e precisam de reparos e que, com as novas tecnologias, novos aparelhos surgem com frequência. Então, você deve manter uma margem para cobrir possíveis emergências com a reforma de um equipamento danificado ou a compra de um novo.

Para que você consiga chegar à conclusão de qual valor é necessário por hora para manter seu consultório funcionando, conte os dias que você vai trabalhar e multiplique pelo número de horas diárias de trabalho.

Se depois de somar todas as contas fixas e variáveis, você chega à conclusão de que gasta R$ 10.000,00 por mês para manter o consultório funcionando, você deve calcular o seguinte: trabalhando 20 dias úteis no mês, sendo 8 horas por dia (160 horas mensais), o gasto por hora de funcionamento é igual a: 10.000/160 = R$ 62,50.

Faça o cálculo de acordo com sua disponibilidade para descobrir quanto precisa ganhar por hora trabalhada para cobrir as despesas do consultório.

3. Avalie os custos de cada procedimento

Para estabelecer o valor de tratamento dentário, os custos com os procedimentos também devem ser avaliados. Isso porque cada um pede materiais específicos, tempo e especializações diferentes. Além disso, você ainda precisa analisar quais dão um retorno melhor para seu negócio, pois assim você consegue direcionar corretamente os investimentos em marketing.

Se no consultório há uma grande procura por tratamentos estéticos, como facetas dentais, clareamento e bichectomia, você deve investir mais na divulgação desses procedimentos específicos. E, caso algum esteja muito barato em relação à concorrência, reveja os valores.

Além disso, você também deve analisar o tempo para cada procedimento ser realizado. É claro que alguns fatores podem dificultar um pouco, pois mesmo que o tratamento seja o mesmo, o tempo para concluí-lo pode variar de acordo com vários fatores, inclusive com a colaboração do paciente e experiência de trabalho.

Aqui, o interessante é colocar uma margem de erro. Assim, se levar menos tempo que o imaginado, sai no lucro — mas, caso seja algo realmente trabalhoso e demorado, dificilmente sairá no prejuízo por ter cobrado pensando em menos tempo.

4. Analise seu público-alvo

Na hora de definir o valor de tratamento dentário, seu público-alvo também precisa ser analisado. Quanto ele ganha? Onde mora? Tem família? Quais são suas principais necessidades?

Todas essas informações são importantes para que você consiga chegar a um valor que esteja dentro da realidade de seus pacientes e ainda dê uma margem de lucro que valha a pena.

Por isso é tão importante definir o público com o qual você deseja trabalhar — assim, fica mais fácil chegar a uma precificação adequada para seus serviços e também facilita bastante na hora de pensar em sua estratégia de fidelização.

5. Determine seu salário mensal

Aqui, estamos falando de seu salário líquido, tirando todos os gastos fixos e variáveis e ainda a receita do consultório. Então, pense e responda: você quer ter um salário de R$ 5.000,00, R$ 8.000,00, 12.000,00 mensais? Qual seu objetivo?

Seja honesto e pense em um total realista, dentro das condições de seu consultório. Caso pense em ter um salário muito alto, mas atenda somente as classes C e D, pode perder um pouco a noção de valores e cobrar mais do que seus pacientes podem pagar, por exemplo.

Para ficar mais claro, vamos falar em números. Suponhamos que você deseja ter uma renda de R$ 8.000,00 por mês e a hora de funcionamento de seu consultório é de R$ 60,00. Você trabalha de segunda a sexta-feira, das 08 h às 18 h, com 2 horas de almoço, o que totaliza 8 horas diárias de trabalho.

Considerando que o mês tem em média 20 dias úteis, você deve trabalhar 160 horas mensais. Então, você divide R$ 8.000,00 / 160 = R$ 50,00. Esses R$ 50,00 são o que você precisa ganhar por hora para garantir apenas o seu salário. Lembre-se de somar a isso o valor/hora de gastos da clínica (aqui no exemplo, R$ 60,00).

Assim, você poderia cobrar R$ 110,00 por uma restauração, sendo que R$ 60,00 representam os custos de operação do consultório e R$ 40,00 são parte do montante que comporá seu salário no final do mês.

Esse é apenas um exemplo, pois você deve analisar o tempo gasto com cada procedimento diferente para definir seu preço. Um implante dentário, por exemplo, dá muito mais trabalho que uma restauração e provavelmente precisa de mais horas para ser concluído.

Chegar a um valor de tratamento dentário não é um bicho de sete cabeças, mas exige paciência e uma análise detalhada de todos os itens citados até agora.

Essas dicas foram úteis para você ter uma ideia de como precificar melhor seus serviços? Caso queira receber outras informações sobre como administrar seu consultório, assine nossa newsletter! Assim, enviaremos as novidades quentinhas diretamente em seu e-mail.

Oral Sin Franquias

Author Oral Sin Franquias

More posts by Oral Sin Franquias

Join the discussion 3 Comments

Deixe seu comentário